O turismo pode ser definido como uma atividade que consiste em viajar, com o objetivo de conhecer diferentes localizações geográficas. Desde os tempos antigos, houve viajantes que viajaram para outros lugares por motivos comerciais, aventureiros ou espirituais.

Alguns deles são muito conhecidos. O geógrafo da Grécia Antiga, Estrabão, percorreu grande parte da Europa descrevendo os povos e culturas que a habitavam, em sua obra chamada "Geographika". A escritora galego-romana Egeria fez uma peregrinação da Gallaecia a Jerusalém no século IV, e Marco Polo seguiu a Rota da Seda como comerciante de Veneza à Mongólia no século XIII.

No século XIX, o médico David Livingstone, foi designado para a África e acabou "descobrindo" as Cataratas Vitória. Coloquei isto entre aspas porque as fervenças já estavam lá quando ele chegou, então presumimos que os nativos daquela região africana já as conhecessem. E já no século XX, o escritor maltês Gerald Brenan, depois de morar em vários lugares, percorreu o sul da Espanha e escreveu Ao Sul de Granada, descrevendo a geografia física e humana daquele lugar.

Mas o setor do turismo como o conhecemos hoje surgiu com a revolução industrial, quando o turismo passou a ser formado por empresários como a Thomas Cook, que organizou os primeiros roteiros turísticos. E à medida que o transporte e as comunicações melhoraram, o turismo também cresceu rapidamente e hoje é um setor que gera muitas atividades econômicas em torno das viagens. Atividades de lazer, culturais, de hospedagem ou de transporte.




Turismo sustentável fronte ao turismo de massas.

Hoje, muitas cidades, países e regiões têm visto o turismo como um recurso econômico muito procurado em todo o mundo e que gera a criação de muitas empresas e empregos. Além disso, muitos desses territórios passam a se especializar neste setor, gerando uma certa dependência econômica do mesmo. Como nas áreas industriais, agrícolas ou de mineração.

Por isso, um facto positivo é que o turismo obriga as administrações locais, regionais e nacionais a envolverem-se na conservação do seu património histórico e dos seus recursos naturais, uma vez que o mercado cria competência, não só de preços, mas também de qualidade. É por isso que nas cidades onde havia bairros degradados e abandonados, eles foram reabilitados e hoje estão repletos de bares, restaurantes, lojas e alojamentos turísticos.

Porém, uma economia voltada exclusivamente para o turismo gera aspectos negativos como superlotação, deterioração ambiental ou poluição sonora. Isso prejudica principalmente a população local, que muitas vezes é obrigada a mudar de residência, fugindo do barulho ou dos altos preços dos aluguéis provocados pelo turismo.

Exemplo disso são as cidades portuguesas de Lisboa e do Porto, que, graças a políticas de orientação turística, viram em poucos anos como muitos dos seus edifícios foram reabilitados para alojamentos turísticos e locais para restauração. Actualmente são cidades que atraem um significativo investimento estrangeiro, bem como turistas, estudantes Erasmus ou mão-de-obra de outros países para trabalhar no sector que mais gera empregos.

Mas também fomentou a precarização do emprego, uma vez que o turismo, sem ser uma indústria, tem características laborais semelhantes às dos empregos nas obras ou nas fábricas, com longas horas de trabalho, baixos salários que muitas vezes são complementados com gorjetas, etc.

É particular o caso de cidades mediterrâneas como Barcelona ou Veneza, que são visitadas por milhões de turistas por ano, muitos deles em excursões de cruzeiros, que também produzem resíduos significativos no mar Mediterrâneo.

No caso de Barcelona, ​​o aumento excessivo dos preços dos aluguéis no centro histórico, além do barulho, obrigou a muitos dos seus moradores a se mudarem para outros bairros, e a tomarem medidas por parte das administrações para regulamentar os apartamentos turísticos. Nas grandes cidades existe um zoneamento em que, além das zonas industriais, comerciais e residenciais, existem também zonas turísticas. Talvez com um bom planejamento isso não seja tão negativo.

E no caso de Veneza, por ser uma cidade turística de grande valor de patrimônio histórico-artístico, hoje se tornou uma espécie de cidade-museu repleta de lojas de souvenirs, onde quase nada resta duma cidade com identidade própria e tranquila para morar. Ao contrário, o grande afluxo de turistas durante os meses de verão faz com que o número de visitas seja limitado e que seja cobrada uma entrada para visitar a cidade.

Uma situação semelhante ocorre noutras cidades turísticas. Em Amsterdã, como em muitas áreas do Mediterrâneo, o chamado "turismo da embriaguez" tem aumentado nos últimos anos. Por isso, nos Países Baixos, já apostam na mudança de seu modelo de turismo para um mais sustentável. Evitar grandes campanhas turísticas no exterior, promover o turismo de proximidade e o ecoturismo diante do turismo de massas.

Mas o problema vai além das cidades. São conhecidas as fotos que circulam pela rede da Grande Muralha da China, cheia de gente como se fosse um grande centro comercial. Ou Maya Bay, a espetacular praia tailandesa que ficou famosa por um filme que Leonardo Di Caprio filmou lá, com mais turistas tirando selfies do que tomando o sol. E muitos outros espaços naturais ou históricos menos conhecidos, mas que sofrem, em outra escala, a mesma superlotação e deterioração.

Nestes locais turísticos é importante aplicar taxas turísticas ou cobrar entrada para uma melhor proteção e manutenção, além de aumentar a produtividade económica do local onde se encontra. Embora isso possa produzir uma espécie de elitismo turístico como já acontece, por exemplo nas ruínas maias de Machu Picchu (Peru). Aqui existe uma grande diferença de preço no transporte às ruínas, seja de comboio mais rápido e confortável, seja de autocarro lento e incómodo e com um troço a pé.

Algo semelhante acontece com o Caminho de Santiago, uma espécie de turismo de peregrinação com uma essência mais espiritual e natural, mas que está cada vez mais saturado e já se tornou um negócio. Ao seu redor existem alojamentos, restaurantes de qualidade cada vez melhor e preços mais elevados. E gente vendendo todo tipo de serviços para os “peregrinos” até transporte para carregar só a mochila. Talvez num futuro não muito distante existam dois tipos de Caminho, o caro e o barato. É bom explotá-lo como recurso econômico ou manter a sua essência espiritual sem saturá-lo e, assim, ser acessível a todos? Ambas as coisas são compatíveis?


Turistas de paseio na Muralha China