1. Uma paisagem de rios, rias e ruas. 


No extremo noroeste da Península Ibérica, no Sudoeste da Europa, encontra-se a Galiza, uma terra de peregrinações ao longo da história e um dos Finisterres geográficos do continente.

Os peregrinos que chegam ao longo do ano caminhando desde as planícies do planalto castelhano seguindo o Caminho de Santiago Francês, encontram ao chegar à Galiza uma paisagem totalmente diferente, dominada por montanhas, bosques verdes e prados regados por milhares de rios e ribeiras, e por uma geologia dominada pelo granito, que se observa nas suas ruas e edifícios. Uma paisagem atlântica que lembra muito as da Bretanha, Irlanda ou País de Gales.

Devido à sua situação geográfica, ocorreram na na Galiza muitas trocas culturais e comerciais com povos do sul do continente, de cultura mediterrânea. E também com as outras culturas célticas do norte da Europa ao longo dos séculos, algo que pode ser visto em suas tradições históricas, música ou características linguísticas. Este facto foi acentuado através do Caminho de Santiago desde a Idade Média. Assim, a primeira impressão é de um território da Europa Latina, com características próprias da Europa Atlântica.

A Galiza preserva uma realidade geográfica e cultural própria, diferente dos restantes povos peninsulares. Ao mesmo tempo, pelo seu emprazamento, apresenta muitas características históricas e socio-económicas em comum, nomeadamente com o norte de Portugal, com o qual partilha território e área linguística (galego-português). E também com o norte do Estado espanhol, do qual faz parte hoje como Autonomia com a característica de ser uma Nação Histórica reconhecida, tanto pela Constituição espanhola como pela Sociedade das Nações (bem como a Catalunha ou o País Basco). Deste jeito, a Galiza encontra-se a meio caminho entre o mundo hispânico e o mundo lusófono.

Uma característica única da Galiza é o seu clima, mais quente e solarengo que no norte da Europa, mas mais frio e chuvoso que no centro e sul da Península Ibérica ou nas regiões mediterrânicas, sendo um clima influenciado pelo Oceano Atlântico. Assim, o carácter frio e triste dos galegos que condiciona o inverno, torna-se alegre e festivo durante o verão, o que se demonstra pela quantidade de festas, festas de rua e festivais gastronómicos que inundam as suas populações no verão. 

Este é um fator muito importante, pois dá vida e dinamismo ao meio rural, o que não acontece em outros territórios semelhantes. Além disso, no verão, a população aumenta devido ao retorno temporário dos trabalhadores migrantes durante o período de férias.

Os limites administrativos da Galiza estám bem definidos geograficamente, embora historicamente tenham sido muito mais extensos e atualmente haja municípios vizinhos nas Astúrias, Leão e Zamora onde também se fala o galego. Mas, em geral, configura uma realidade geográfica diferenciada do resto da Península Ibérica pelo Maciço Galaico, onde as serras orientais dos Ancares, Courel e Eixo fazem fronteira natural de norte a sul.

Ao sul, embora existam muitas semelhanças geográficas e culturais entre o sul da Galiza e o norte de Portugal, a linha administrativa que as divide é uma das fronteiras artificiais mais antigas da Europa (quase intacta desde o século XII). E dos dois lados da fronteira, conservam-se fortalezas defensivas como lembrança das batalhas que aconteceram entre os dois territórios durante o século XVII.

Esta linha de fronteira é chamada A Raia e está dividida em três partes: o curso inferior do rio Minho, a Serras de Peneda-Gerês e a Raia Seca, que deve o seu nome ao facto de não existir um rio que sirva de fronteira. Aqui estão os concelhos do Couto Mixto, que na sua época eram independentes da Galiza e de Portugal.

A Raia Seca, estende-se desde o Gerês até os Montes de Leão, e atravessa o vale alto do rio Tâmega, que é a via natural de entrada (ou saída) mais larga para a Galiza desde o sul e pelo interior. As outras vias naturais de entrada ou saída obrigam a atravessar os rios Minho e Eo perto da costa, cruzar os portos das montanhas do sudeste ou os estreitos e sinuosos vales dos rios Sil e Limia, que obrigaram à construção de complexas infraestruturas viárias, rodovias ou ferrovias com várias pontes e túneis.

No entanto, o vale do Tâmega é mais longo e é a porta de entrada para o interior do Caminho de Santiago em Portugal e para a Via da Prata. O rio Tâmega nasce na Galiza mas tem a maior parte do seu percurso em Portugal, e divide as duas áreas da Eurocidade Verín-Chaves. A portuguesa Chaves e a galega Verín estão ligadas por uma distância de 30 quilômetros, e a rua que os une chama-se Avenida de Portugal na parte da Galiza e Avenida da Galiza na parte de Portugal. Existem também duas outras Eurocidades fronteiriças em cada margem do rio Minho: Tui-Valença e Salvaterra-Monção.

A costa também é característica e representativa da Galiza, graças às suas Rías. Cando deixa de haver Rías e a costa torna-se retilínea cara o sul, avisa-nos que a Galiza termina e começa Portugal. E o mesmo acontece no norte quando a se aproxima a rasa litoral asturiana. Destacam-se também as zonas de falésias e praias de areias brancas muito finas, fruto da erosão provocada pelo vento e pelo mar, que atinge a costa galega com grande força.

E é que a Galiza é mar, com quase 1.500 km de costa numa área total de apenas 29.500 km. quadrados de superfície significam que a maioria da população vive junto ao mar e sempre viveu dos seus recursos marinhos. As dezasseis rias que a Galiza possui ao longo de toda a sua costa favorecem a existência de portos naturais e o surgimento de uma importante aquicultura e actividade pesqueira. 

Também destacam os abundantes rios que correm por todo o país, a maioria deles curtos, estreitos e pouco navegáveis ​​devido à orografia, mas com grande valor energético já utilizado no passado com a construção de moinhos de rio. Atualmente, há um importante aproveitamento dos recursos hídricos, tanto em encoros hidrelétricos como em águas termais, devido à sua geomorfologia.

Assim, devido ao seu clima e também ao seu carácter montanhoso, o relevo costeiro e interior da Galiza apresenta um grande potencial eólico. No entanto, a instalação excessiva de moinhos eólicos gera problemas ambientais no meio rural, além de não ter impacto direto no território, uma vez que grande parte da energia eólica é exportada.

A transição energética para o setor de energias renováveis ​​é essencial, mas muitas vezes torna-se um negócio para grandes empresas, e não afeta como deveria na qualidade de vida da população rural. A Galiza também possui uma usina de energia térmica que planeja deixar o carvão e abrir caminho para a armazenamento do gás natural.

Desde os tempos pré-romanos, o território teve diferentes depósitos mineiros (ouro, carvão ...) e hoje destacam as pedreiras de granito na parte ocidental e lousa na parte oriental. Mesmo no sul da Galiza, as minas de lítio começam a ser exploradas.

Da mesmo jeito, existe uma indústria madeireira, que também deve avançar para um modelo mais sustentável com o meio ambiente. Na Galiza, há muita área florestal, e com a emigração do campo para a cidade, foi abandonada ou vendida para uso florestal intensivo, plantando-se espécies estrangeiras como pinheiros ou eucaliptos (mais abundantes nas áreas montanhosas da costa).

Essas espécies, principalmente o eucalipto, crescem rapidamente, mas consomem muita água e não são muito resistentes ao fogo. Além disso, eles costumam se espalhar perto de casas, o que é um problema durante os muitos períodos de fortes incêndios neste território.

Por esse motivo, é necessária uma planificação territorial, estabelecendo áreas adequadas ou inadequadas para o cultivo de pinheiros e eucaliptos e estabelecendo instalações para o plantio de espécies indígenas que estejam mais de acordo com a paisagem da Galiza ou outras que não agridam o solo e resistam melhor ao fogo.

Dessa forma, seria necessário expandir os usos da floresta, para que a sua economia não dependa apenas da indústria do papel, um setor de importância especial na Galiza atualmente.


Ribeira Sacra
Canom do Río Sil (Ribeira Sacra)


2. Modelo territorial: habitat disperso e policentrismo.

Podemos distinguir três grandes áreas de assentamentos humanos na Galiza, a área costeira (a mais populosa), a Galiza interior e as áreas montanhosas (as menos povoadas).

A Galiza tem um sistema urbano policêntrico que é composto por 7 áreas urbanas com mais de 50.000 habitantes. As duas principais áreas metropolitanas som a Corunha ao norte e Vigo ao sul. Som as duas que têm mais indústria e também as que contam com as duas equipas de futebol mais importantes (Deportivo e Celta). 

Ambas estão no litoral e possuem os principais portos e, embora cada uma não atinja os 500.000 habitantes cadastrados,  na realidade a proximidade de outras 2 áreas importantes forma conurbações urbanas à medida que se expandem.

Assim, o Grande Corunha expande-se para a área urbana de Ferrol-Narón e o Grande Vigo para a área urbana de Pontevedra, formando duas conurbações que exigem um maior planejamento nas comunicações e o uso comum das infra-estruturas.

Mas a capital da Galiza é Santiago de Compostela, cidade que não atinge os 100.000 habitantes registrados. E embora seja a cidade mais turística graças à sua célebre catedral, Compostela foi historicamente o centro político e religioso, e hoje é o centro administrativo e universitário, onde se encontra a sede e o parlamento do governo regional.

Estas 5 áreas urbanas situam-se no denominado Eixo Atlântico, o eixo de maior vitalidade económica da Galiza, e estende-se às outras duas cidades do interior (Lugo Ourense) e também ao Porto (em Portugal) e Oviedo (nas Astúrias) .

Mas a capital da Galiza é Santiago de Compostela, uma cidade que nom chega os 100.000 habitantes registrados. Embora seja a cidade mais turística, graças à sua famosa Catedral. Compostela tem sido historicamente um centro político e religioso, e hoje é um centro administrativo e universitário, onde estám localizadas a sede e o parlamento do governo autônomico. 

Estas 5 áreas principais estám localizadas no chamado Eixo Atlântico, o eixo de maior vitalidade econômica da Galiza, e estendem-se para as outras dúas áreas do interior (Lugo e Ourense) e também para Porto (Portugal) e Oviedo (Astúrias).

Existem geógrafos que analisam o sistema urbano em que garantem que, se a Galícia tivesse uma cidade importante como o Porto, no norte de Portugal, ou mesmo Barcelona, ​​na Catalunha, que dispusera de todos os serviços centralmente, o país seria mais competitivo e dificilmente existiriam localismos. 

Mas não tem que ser o caso, já que em outros territórios como o País Basco, têm um modelo territorial semelhante, com três cidades principais menores, descentralizadas e bem conectadas (no eixo da Y Basca) e a sua economia é uma das mais competitivas do Estado espanhol. Ou também nos Países Baixos e seu eixo Amsterdã-Roterdã-Haia, cada um com sua função especializada. A diferença é que as comunicações entre as cidades galegas são muito piores, principalmente devido à sua complexa orografia.

No entanto, a descentralização também é boa e deve ser promovida, evitando localismos e muitas duplicações, como na administração de três universidades públicas num território tão pequeno. Cada área urbana deve ser especializada e perfeitamente conectada. Vigo e Corunha têm os principais portos, essenciais para a economia galega, tanto para importação quanto para exportação e chegada de cruzeiros.

A Galiza é caracterizada devido à sua geografia por ter um habitat disperso com muitas vilas pequenas e aldeias, por isso nem todas têm boas conexões ou serviços. A divisão administrativa é composta de maior a menor por: ProvínciasComarcasConcelhos e Paróquias ou Freguesias (algumas também chamadas Pedanias).

As paróquias sempre tiveram um papel importante na sociedade galega. Elas foram criadas na época dos Suevos e agrupam um grupo de aldeias às quais pertencem um pároco, um pedáneo e uma igreja. O habitat na Galiza é muito disperso devido à sua geografia e existem muitas pequenas aldeias em lugares diferentes em todo o território. Alguns na cima dos outeiros, outros no meio da encosta e outros nos vales próximos aos rios. Os seus tamanhos também variam, algumas têm apenas 3 ou 4 casas, e a igreja é o centro e o lugar de ligação entre várias aldeias vizinhas.

Em cada igreja paroquial há um pároco designado (embora hoje um pároco poda dirigir várias paróquias devido à falta de pessoal...) E o pedáneo é o representante escolhido por seus vizinhos, como prefeito, mas sem partido político.

A vila sempre foi o modelo de habitat característico desde a época dos castros celtas como núcleo populacional. Um núcleo de identidade, onde todos os seus habitantes se conhecem e se perguntam quando alguém de fora aparece ou rivaliza com os habitantes de outras aldeias vizinhas. E sempre de tradição religiosa, na qual o Padre ou pároco tinha um papel fundamental.

Mas na Galiza, ao contrário que a divisão por paroquias, a divisão em quatro províncias não tem muito sentido, uma vez que as comarcas que as compõem têm características geográficas muito diferentes umas das outras na mesma província ou, às vezes, têm maior semelhança com as da província vizinha. 

Ademais, o número de concelhos é excessivo, porque, devido ao envelhecimento e ao despovoamento, muitos não atingem 1.000 habitantes. Houve algumas fusões, mas o ideal seria que as comarcas tivessem menos concelhos e, consequentemente, menos alcaldes. Além disso, as comarcas, que têm o seu peso histórico e geográfico, mas não administrativo, seria bom que fossem as encarregadas de oferecer serviços a seus concelhos e paróquias, funcionando como mancomunidades em detrimento das delegações provinciais. 

Dessa forma, eliminar as delegações provinciais que são instituições com um grande poder político  assim como juntar pequenos municípios, seria uma gestão territorial muito mais eficiente num territorio onde o caciquismo e a corrupção foram  historicamente frequentes e onde tristemente estão presentes ainda hoje.



Mapa de Galicia

Densidade da população na Galiza



3. Industria e comunicações: fraquezas do passado e fortalezas do presente.

A Galiza tem três aeroportos, já é um debate histórico se a Galiza precisa de três pequenos aeroportos nas três cidades mais importantes ou se um só mais grande seria suficiente. Especialmente vendo como o aeroporto internacional do Porto, no norte de Portugal, fai a função de aeroporto dos galegos devido à sua proximidade e maior oferta de voos e conexões internacionais. 

Seja como for, o mais lógico hoje seria tirar proveito das três infraestruturas existentes e especializá-las, já que os aeroportos de Vigo e Corunha estão ligados aos seus dous pólos industriais e de negócios, e Santiago o está mais ao turismo. Também é essencial conectar eficazmente os aeroportos entre eles e as principais cidades por trem. A infra-estrutura do antigo aeroporto de Santiago (próximo ao novo de nome "Rosalía de Castro"), poderia ser usada como uma estação de conexão com o "TAV" (trem de alta velocidade).

trem de alta velocidade, atualmente em construção, foi projetado para ligar os portos da Corunha e Vigo a Madrid (e cidades que estão a caminho, como Santiago). E, embora reduza consideravelmente as distâncias entre as principais cidades, o TAV não para em muitos lugares do país e também é caro para viagens diárias. No momento, o trem tampouco está conectado aos aeroportos.

O que a Galiza precisa é de um sistema de trem de proximidade que equilibre o seu território, semelhante ao de outros países. Que ligue cidades com as vilas cabeceira de comarca e principalmente que conectem o interior ao Eixo Atlântico. É essencial estruturar o território internamente por via férrea e depois uni-lo ao exterior e não apenas a Madrid, mas também ao norte de Portugal e às Astúrias. 

No entanto, na Galiza, o uso do transporte rodoviário privado foi priorizado em relação ao transporte ferroviário público. Investiu-se em boas autoestradas no interior do país e com o exterior, isso sim, infelizmente priorizando sempre a ligação do Eixo Atlântico com Madrid antes da lógica ligação entre todas as áreas urbanas e cabeceiras comarcais galegas. Na verdade, as 7 principais cidades não estão conectadas todas elas entre si por rodovia e às vezes são rodovias de pagamento, enquanto as duas rodovias que chegam de Madrid são gratuitas.

Ademais, a desvantagem é a dependência do veículo particular, o que às vezes significa que há mais viagens de carro compartilhado do que de trem, já que o último é mais caro e com horários e conexões piores. Algo que falta na Galiza é a introdução dum tranvia moderno nas áreas urbanas, que hoje ainda não existe.

A industrialização da Galiza, bem como a melhoria das infra-estruturas e comunicações, internas e externas, chegou tarde. Até a revolução industrial, a Galiza era muito povoada e, como região agrícola, era rica, mas baseada em uma economia de autoconsumo.

Alguns produtos como o vinho do Ribeiro ou o linho, foram exportados, mas o mercado sempre foi condicionado pelas políticas protecionistas espanholas e internacionais, pelo que muitos jornaleiros íam trabalhar em Castela durante a época da sega, em Andaluzia durante a recolheita da azeitona ou em Portugal também durante a vindima ao norte ou a sega ao sul. Com uma população que sabia realizar ofícios no campo ou na pesca, a escassa burguesia que criava indústrias, mercados e bancos era principalmente estrangeira. Por exemplo, as primeiras fábricas de conservas foram instaladas pelos catalães.

O déficit industrial da Galiza promoveu o grande êxodo rural entre 1830 e 1930 para cidades do resto da Península Ibérica (Madrid, Barcelona, ​​Bilbao e Lisboa), mas especialmente para a América Latina (Buenos Aires, Montevidéu, México, São Paulo, Caracas, etc...). A Galiza sempre foi uma terra de emigrantes, igual que outros países e regiões europeias como a Irlanda, o Norte de Portugal e o Norte da Itália. Mas não terra de imigrantes, com algumas excepções recentes como a população cabo-verdiana fixada em zonas da Marinha de Lugo para trabalhar na pesca.

O seu carácter predominantemente rural e não industrial fez com que na Galiza nunca existisse uma sociedade verdadeiramente obreira e reivindicativa. E nas zonas rurais ainda predominam as pequenas propriedades (minifúndios). As famílias rurais tinham um grande número de filhos que, ao herdarem, tiveram que dividir as propriedades em pedaços menores. A única maneira de não dividi-los era o filho mais velho ficar com todos os bens em troca de cuidar dos parentes mais velhos da casa.

Portanto, era normal que muitos jovens optassem por emigrar, e a maioria dos emigrantes encontrou empregos melhores no setor de serviços em cidades fora da Galiza. Estima-se que entre 1857 e 1960 apenas cerca de 600.000 galegos se estabeleceram na Argentina, e em 2015 foram registrados 168.263 principalmente na cidade de Buenos Aires, conhecida como a quinta província galega por terem direito de voto nas eleições galegas, o que costuma ser importante .

Os galegos abriram associações e centros culturais em todas as cidades latino-americanas de destino, os chamados Centros Galegos, onde se reuniram para divulgar e reivindicar as tradições da Galiza e dar ideias políticas para o seu progresso e desenvolvimento económico. Muitos abriram empresas e instituições importantes nos países de destino, como o Banco Galicia na Argentina ou o Galicia Esporte Clube, time de futebol de Salvador da Bahia no Brasil. O caminho da Galiza deu o salto do mundo europeu para o mundo americano.

Esse êxodo migratório se intensificou na década de 1940, após a Guerra Civil Espanhola, e durou até as décadas de 1950 e 1960 para países europeus como Suíça, Alemanha, França e Bélgica. A partir das décadas de 80 e 90 começa o retorno de capitais desde a diáspora. Muitos galegos regressaram à sua terra natal e abriram negócios principalmente na área da hotelaria. É comum ver bares e restaurantes com nomes como "Bar Paris" ou "Reustaurante Zurich", fundados por galegos que emigraram e ganharam dinheiro nessas cidades. E também nas cidades e vilas galegas foram construídas desde o início do século XX as chamadas "casas de indianos", imponentes casas construídas pelos galegos que fizeram grandes fortunas nas Américas.

É por isso que o povo galego hoje não tem medo da emigração, porque seus antepassados ​​já o fizeram, alguns voltaram e outros ficaram nos seus lugares de destino, trabalhando como mão de obra barata, mas também chegando a criar empresas nesses territórios tão distantes. Atualmente ainda existem galegos emigrados em todos os recantos do mundo, enquanto a população da Galiza diminui a cada ano.

A emigração e o envelhecimento da população fazem com que a sociedade galega continue a ser largamente tradicional nos seus costumes, são familiares, conservadores, conformistas, pouco reivindicativos e individualistas. No entanto, é tradicionalmente uma sociedade matriarcal, onde as mulheres sempre tiveram um papel fundamental dentro do lar e fora dele, sendo uma força de trabalho muito importante nas áreas rurais e desde o início da indústria têxtil.



Ría de Vigo
Ría de Vigo, com a Ponte de Rande ao fondo.



4. Não só turismo. Ameaças e oportunidades de futuro.


Hoje em dia, atopamos na Galiza dous importantes pólos industriais: ao norte está o têxtil da mais importante multinacional galega: o Grupo Inditex. E ao sul da Comunidade Autônoma está a indústria automotiva, o grupo francês PSA Citroen. Muitas empresas relacionadas emergem de ambos os setores e geram muitos empregos. Mas esses não são os únicos setores, outros como a construção (alumínio, madeira, mineração ...) ou a alimentação (vinhos, conservas, carne ...) produzem importantes exportações para o exterior. 

É importante diversificar o sector industrial, para não depender só de empresas grandes que podam fechar em épocas de crise. Neste sentido, tem grande importancia o sector do automóvil, já que da muitos postos de trabalho diretos e indiretos. E cômpre a sua adatação à fabricação de veículos eléctricos e híbridos acorde com a politica meio-ambiental europeia, que aposta por reduzir a produção veículos contaminantes.

Um grande potencial da Galiza é a agroindústria. Além dos excelentes produtos pesqueiros de seus estuários, seus variados produtos gastronômicos são de alta qualidade, como o leite, a carne ou os seus famosos vinhos (denominações de origem). Graças a isso, cada vez mais empresas fabricam produtos artesanais (cervejas, sidras, óleo, queijos, derivados de castanha...) relacionados com a agricultura ecológica. Esse setor é essencial para estabelecer emprego e população nas áreas rurais, além de impulsionar a sua economia por meio de atividades que complementam o turismo, como o turismo gastronômico.

O turismo, como ocorre globalmente, está crescendo, mas na Galiza é um fenômeno relativamente recente. O compromisso de promover o Caminho de Santiago no início dos anos 90, tornou a Galiza conhecida em todo o mundo. Hoje, o debate é se deve apostar por uma capitalização maior do Caminho com os riscos de turismo massivo que isso implica, ou se deve continuar mantendo a sua essência "espiritual". Se quadra, o melhor é que existam as duas opções, un turismo caro de qualidade e outro mais barato, sempre controlando a massificação por parte das administrações.

Além do turismo cultural, natural ou de praia, destacam o turismo rural e o termal, pola sua extensa rede de casas rurais, fontes termais e balneários em todo o território. Durante os últimos verãos na alta temporada, já existem problemas derivados do turismo de massas nas zonas costeiras mais turísticas e é algo que a Galiza deve saber administrar bem, controlando a entrada de turistas nos lugares mais concorridos, aplicando taxas turísticas e aumentando os preços de entrada em monumentos e espaços naturais para uma boa conservação.

Uma das vantagens do turismo, além das econômicas, é o fato de incentivar as administrações a cuidar melhor o imenso patrimônio natural e cultural que a Galiza possui e que sempre foi descoidado, apesar de seu enorme valor e riqueza.

O mesmo acontece com a planificação urbana, que desde os anos 60 do século XX com o boom da construção, uma vez que não havia nenhum tipo de ordenamento e uma teima exagerada para a construção de edifícios altos, às vezes por não ter terra, e outros por querer dar uma imagem de ostentação, uma espécie de feísmo foi criado em todas as cidades e vilas que hoje é tristemente características deste território.

Um exemplo deve ser tomado de outros países europeus nesse sentido, coidando e ordenando melhor o território da Galiza, as montanhas, as áreas costeiras, as áreas urbanas, mas sem depender exclusivamente do turismo. Mas melhorar a qualidade de vida de seus habitantes e que a Galiza não só se torne um museu-território, com uma paisagem maravilhosa onde você coma bem e barato. Os setores agrícola e industrial devem continuar modernizados, apostando em tecnologia e inovação.

Por outro lado, é fundamental a aproximação entre a Galiza e o Norte de Portugal, onde apesar de ser uma das fronteiras mais antigas da Europa, nunca houve uma divisão cultural e sempre houve trocas económicas e sociais. De facto, são cada vez mais as empresas galegas a exercerem a sua actividade em Portugal, após a entrada de ambos os países na União Europeia. Ao facilitar a livre circulação de pessoas e capitais, o estabelecimento da Eurorregião e as Eurocidades fronteiriças que partilham serviços e infraestruturas.

Mas também, o mercado da conurbação urbana de Porto-Braga abrange uma quantidade significativa de população potencial de quase 2 milhões de habitantes e a rodovia fica a apenas 1 hora e meia da área urbana de Vigo (a mais populosa da Galiza). Isso supõe um acesso aos serviços e às oportunidades econômicas e trabalhadores duma e outra parte do rio Minho aos habitantes dos dous territórios aos quais eles unem laços culturais e linguísticos.

Aqui, a língua galega, a língua própria da Galiza, assume uma dupla importância. Em primeiro lugar, como marca de identidade e valorização dos produtos galegos para o comércio peninsular e europeu, e em segundo lugar, devido à sua proximidade ao português, uma vez que ambos são variedades do mesmo sistema linguístico (o galego-português). 

Esta é uma ótima oportunidade para se comunicar com mais de 500 milhões de falantes no campo da lusofonia (ou galaicofonia) em todo o mundo. Isto, juntamente com o conhecimento e o uso do castelhano (também língua oficial na Galiza e uma das línguas mais faladas no mundo), dá a este país uma clara vantagem de se relacionar social e economicamente, não apenas com todos os territórios da Península Ibérica e a ligação entre Espanha e Portugal, senão também com toda a América Latina.

Mas o desafio futuro mais importante para a Galiza é, sem dúvida, o desafio demográfico. A sua população é uma das mais avelhentadas do mundo, com as conseqüências econômicas que isso implica, gasto em sanidade, aumento das pensões... A expectativa de vida também é uma das mais altas aqui, mas nascem muito poucas crianças, o que significa que o saldo vegetativo é eternamente negativo e a cada ano continua a diminuir. Isso se soma ao fato de que a fuga de cérebros para outras regiões e cidades ainda é comum e o abandono do meio rural que sempre caracterizou a Galiza também é preocupante. É preocupante que em muitas aldeias apenas viva gente maior e outras fiquem já desabitadas.

Qual deve ser a solução para esse problema? Sem dúvida, como em muitos outros lugares, a imigração de jovens, de maneira regulada e controlada, ajuda a mudar a situação. Algo que, por exemplo, acontece em Portugal, atraindo uma população de origem brasileira, à qual eles unem laços culturais. No momento, o saldo migratório nos últimos anos tem sido positivo na Galiza, e a população estrangeira residente em idade produtiva provém principalmente de países como Portugal, Brasil, Colômbia, Venezuela, Argentina, Peru e Marrocos, e também jubilados de outros países europeus.

Por fim, deve-se também apostar na modernização e melhoria da qualidade do emprego, tanto nas áreas rurais quanto nas cidades, apostando no empreendimento, inovação, investigação e tecnologia.  E, acima de tudo, evitar a fuga de empresas para cidades como Madrid, pois elas têm mais infraestrutura e benefícios fiscais. Isso diminui o emprego na Galiza e é uma realidade que infelizmente aumentará nos próximos anos devido à conexão de alta velocidade com Madrid, uma vez que facilita o deslocamento do trabalho para as principais fontes de emprego. Nesse sentido, é essencial dotar as empresas de facilidades tributárias para que decidam se estabelecer na Galiza.

Somente assim evitara-se que todos os anos tantos galegos tenham que emigrar e podam permanecer para viver na sua maravilhosa terrinha.


Clique na caixa no canto superior esquerdo do mapa para escolher as capas que deseja ver.